quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Selo Amigo para o Vale dos Vinhedos em RS

Recebi um e-mail da amiga e mestre Silvia Mascella Rosa (leia o blog dela aqui) sobre um passeio ciclístico no vale dos vinhedos, com direito a passeio de bike e vinho, inclusive para os deficientes visuais. Imagine só, você pedalando numa tandem e só sentido o vento no rosto! Replico as fotos que ela mandou bem como um texto junto.

"
Deficientes visuais pedalam no Vale dos Vinhedos

Mais de 200 ciclistas participam do Passeio Ciclístico da Primavera. Novo percurso e parada nas vinícolas foi atração entre os participantes

Sentindo o Vale dos Vinhedos sobre duas rodas. Esta foi a experiência de quatro deficientes visuais que participaram do Passeio Ciclístico da Primavera na manhã deste domingo, 25. Conduzidos por guias em bicicletas duplas, eles percorreram os 5.300 metros pedalando. Um exemplo de superação em meio a mais de 200 ciclistas.  Famílias, grupos de amigos, ciclistas profissionais e turistas participaram do passeio que teve novo trajeto e paradas nas vinícolas para degustação de espumante, vinho, suco de uva e queijo.

As bicicletas iam chegando de todos os lados, algumas transportadas por veículos, outras conduzidas pelos próprios ciclistas. Gente de todas as idades e localidades, todas unidas para celebrar a chegada da estação das flores. A deficiente visual Juliana Peixoto conta que anda de bicicleta desde a infância. “Sempre gostei de andar de bicicleta. Primeiro foram com as bicicletas de rodinhas, depois as maiores, desde que conseguisse encostar os pés no chão. Depois, fiquei um tempo sem andar até que lançaram as bicicletas duplas”.

A participação foi viabilizada pela Associação dos Deficientes Visuais de Bento Gonçalves (ADVBG), que possui diversas bicicletas duplas para uso de seus associados. Inclusive, a entidade está retomando o projeto. Uma vez por semana os interessados pedalam no Sest Senat. Para Juliana, a experiência de pedalar no Vale dos Vinhedos foi maravilhosa. “O passeio foi gostoso. A sensação é de liberdade. Mesmo que eu não veja a paisagem o guia ia descrevendo durante o passeio. O lugar é lindo. Sentir o vento no rosto, o cheiro das flores, da grama cortada, é ótimo”, relata.

Esta é a terceira edição do evento e a maior de todas. O objetivo do Hotel Villa Michelon, promotor do evento, e da Escola Infoserv e Jamar Cia do Esporte, parceiros no projeto, é continuar apostando na prática do esporte como incentivo a saúde física e mental, ao bem-estar, as novas amizades e a confraternização. “O Passeio Ciclístico da Primavera já está no calendário de eventos do Vale dos Vinhedos. Vamos continuar inovando, lançando novos trajetos e atrações, mas sempre evidenciando o esporte como uma atividade saudável que pode estar aliada ao enoturismo”, destaca Moysés Michelon, diretor do Hotel Villa Michelon.

Com um trajeto de subidas e descidas, os ciclistas foram descobrindo o Vale a cada pedalada. Conforme iam avançando o percurso, um novo cenário, uma nova surpresa. Pausa para algumas fotos e de volta à bicicleta logo a primeira atração. Parada para degustar espumantes Vallontano, suco de uva Torcello e queijos Valbrenta. Um quilômetro adiante e nova parada. Agora na Almaúnica o vinho Merlot foi o anfitrião. De corpo e alma revigorados, todos percorreram o último trecho, sempre acompanhados por uma ampla estrutura de segurança, até chegar ao Villa Michelon. Lá, foram recebidos com Sucos Suvalan e biscoitos Isabela.

Cada participante também recebeu uma garrafinha de água personalizada. Ronaldo Casagrande e Raquel de Oliveira foram os ganhadores das diárias do Hotel Villa Michelon, sorteadas entre os ciclistas. Fernando Marcolin ficou com a bicicleta oferecida pela Jamar Cia do Esporte.

O sol deu seu show, conferindo a todos um autêntico dia de primavera. Em plena transformação, os vinhedos, que recém estão saindo de seu estado de dormência, já começam a brotar e o verde ganha múltiplas nuances. O passeio foi realizado na Estrada do Vinho, no Vale dos Vinhedos, com largada em frente a sede da Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale), apoiadora do evento.

Fotos: Lucinara Masiero
Fonte: www.conceitocom.com.br





sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Bike Roubada


Vou reproduzir o texto que acompanha esta foto. Achei no blog ir e vir de bike, eis a o link aqui.

"Meu amigo André Marques, camarada do pedal e companheiro das Bicicletadas, teve sua bike furtada. Agora, ele oferece uma recompensa de R$ 1 mil para quem lhe devolver a magrela -- ou tiver informações que lhe permitam recuperá-la.
A bike é uma Trek District com correia dentada ao invés de correntes -- com quadro verde escuro e marrom. Como trata-se de um equipamento incomum, não é muito difícil reconhecê-la.
O furto ocorreu no 4 de outubro, em sua casa, no Santa Quitéria. "Por volta das 19 horas pularam o portão da garagem e levaram a bicicleta", conta André.
O crime foi registrado no Boletim de Ocorrência nº 2011/846406 no 9º Distrito da Polícia Civil, em Curitiba.
"Por mais que seja apenas um bem material (com um certo apego sentimental, vou confessar) tem sido relevante todo o apoio e solidariedade que tenho recebido. Isso mostra que é a bicicleta realmente aproxima as pessoas umas das outras, e da civilidade", diz André."

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Setembro é o mês amigo da Bicicleta

Clique na imagem para ampliar

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Ciclista Legal x GETZ

Notícia espalhada pela Gazeta do Povo (a matéria está aqui), que foi noticiada pela Suiane Cardoso, que gerou uma discussão interessante no grupo do facebook (veja aqui) e deixo aqui o poster elaborado pela agência de publicidade getz como parte de uma campanha publicitária de conscientização do motorista sobre o ciclista. Veja e tire suas conclusões.



Em tempo, me lembrei do Sebastião Nunes, que publicou os livros Somos Todos Assassinos e Sacanagem Pura.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Um brinde a Bicicletaria Cultural!!


A Bicicletaria Cultural é um novo centro de serviços localizado no corredor cultural da cidade, um espaço comprometido com o uso da bicicleta em Curitiba.
Essa casa é coordenada pelo espírito colaborativo entre Patrícia Valverde e Fernando Rosenbaum, formando uma rede de conexões produtivas que viabilizam seus serviços e a programação cultural.
Abertura da Bicicletaria Cultural hoje as 19h na Rua Presidente Faria, 226 - Centro, esquina c/ a r. Alfredo Bufren. Será uma apresentação da idéia de ocupação da casa e uma exposição fotográfica comemorando o dia mundial da fotografia. um beijo e até lá.
Tin-tin
O centro de Curitiba possibilita agradáveis passeios com cenário diversificado, de arquitetura eclética, prédios tombados, praças, casas de cultura e o projeto de revitalização do setor histórico. A cidade é na maioria plana, perfeita para andar e pedalar.  
Já o trânsito dessa região é caótico, principalmente nas proximidades do cruzamento entre o calçadão da XV e a canaleta dos biarticulados. Além da variedade de veículos nesse ponto, a velocidade e conversões realizadas ameaçam a tranqüilidade de usuários, comerciantes e pedestres que se esgueiram em uma estreita calçada. Nessas condições de circulação, reconhecendo a freqüência de bicicletas nesse local é que surge ali uma possibilidade de humanizacão deste fluxo, um ponto de apoio para quem escolheu partilhar a cidade de forma mais presente.
(Texto de Tissa Valverde, gentilmente cedido para publicar neste blog)

Abertura será na sexta-feira, 19 de agosto as 19:30. Endereço: Rua Presidente Faria, 226.

Vida longa a Bicicletaria Cultural!!!!

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Festa ciclística: 2 anos de Velo Clube


Dá-lhe Puma, parabéns e vida longa ao Velo Clube!!!! 
Não estarei aí no dia, mas lembrem-se de atear fogo na rua!!!

Aí, sim!


Utilidade pública ciclística

Recebi este e-mail hoje e reproduzo para todos:



"Caros amigos, ciclistas e triatletas... Só que se não fizermos nada, daqui a pouco poderá ocorrer algo mais grave, como se já não bastasse ficar sem a bike. Todos estamos cientes da onda de assaltos, roubos e tentativas de roubos de bikes que estão ocorrendo na BR 277 sentido Praias.

Hoje recebi uma ligação do Policial ALEXIS, DA POLÍCIA CIVIL, que também é ciclista,  que está a par dos últimos acontecimentos, e me solicitou que espalhasse a COMUNICAÇÃO, solicitando a todos os que tiverem BIKE OU BENS FURTADOS nos assaltos da 277, e que FIZERAM REGISTRO DE B.O (BOLETIM DE OCORRÊNCIA), que entrem em contato com ele para passar este número do B.O, pois ele, de posse destes documentos, poderá comprovar junto aos órgàos encarregados (Polícias, Ecovia, Secretaria de Segurança Pública) a gravidade da situação e irá tentar mobilizar o maior contigente possível de policiais para realizarem umamega-operação ostensiva e de investigação na região onde os assaltos estão ocorrendo.
Segue o email e telefone celular do ALEXIS:
9919-9205

Repassem a mensagem !!
Abraço a todos e vamos ficar atentos !""

Acho que o autor é o Alexis. 



quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Capacete

Sempre achei ridículo esses capacetes para bike à venda no mercado, mas outro dia me deparei com um bem interessante, lembra o Storm Trooper. Achei na Bike Tech, que é uma loja que sempre tem coisas legais e o atendimento é bom. Vale o selo amigo da bicicleta!



terça-feira, 9 de agosto de 2011

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Imprima, corte, cole, faça camiseta

Eis aqui disponível o selo amigo da bike para todos usarem como quiserem!


Arte por Guilherme Master Bike Caldas. Thanx, brother.

TRT - 9ª Região é amigo da bicicleta

Há um ano e poucos meses vendi meu carro e comecei a ir trabalhar de bike. Para quem não me conhece eu era advogado e assim aparecia para fazer as audiências e para as sustentações orais no Tribunal Regional do Trabaho (TRT). Chegava meio esbagaçado e suado, mas sempre valia a pena! Teve até uma colega que literalmente bateu palmas e me elogiou num cruzamento perto do Fórum. Um ano depois vejo que as coisas estão cada vez melhorando. Aqui fica o registro de que o Egrégio Nono Regional do Trbalho é Amigo da Bicicleta.

Segue a matéria publicada no site do TRT, que reproduzo na íntegra.


TRT-PR conclui a implantação de bicicletários em suas dependências

De casa ao trabalho, do trabalho para casa. Esse trajeto diário, comum a todos os trabalhadores, ganhou interatividade, economia e rapidez para o servidor Luciano Zimmer quando, há dez anos, ele aposentou o carro para fazer o percurso pedalando. Mas a eficiência e a praticidade proporcionadas pela bicicleta encontravam um entrave justamente na porta do trabalho: onde deixá-la?

Para atender às necessidades desses novos ciclistas, o Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR), implantou bicicletários nos prédios do Cajuru (Arquivo Geral), da rua Vicente Machado, números 147 e 400, e na Carlos de Carvalho, número 528, que comportam 25 bicicletas cada um, atendendo à demanda recente de ciclistas. “Como as vagas são limitadas, é imprescindível que os interessados façam o cadastro na Secretaria Administrativa. Desta forma, os usuários não correm o risco de chegar ao local e encontrar as vagas já ocupadas”, explica o Diretor da Secretaria Administrativa, Haroldo Rebello Júnior.

Apesar dos reconhecidos benefícios da bicicleta, a resistência ao uso desse meio de transporte ainda é muito grande. Um dos principais motivos é o clima da capital. “Claro que, com chuva, é complicado andar de bicicleta. Mas eu percebi que temos, em média, um a dois dias por mês em que efetivamente não há possibilidade de desviar da chuva, principalmente porque nosso horário de trabalho permite uma flexibilidade muito grande”, explica Luciano Zimmer.

Mais difícil de desviar é a preocupação quanto ao trânsito porque, de acordo com Luciano “parece um pouco opressor dividir o mesmo espaço com os carros”. No entanto, o servidor garante que é somente uma questão de técnica e entendimento da dinâmica das ruas. Ele defende a implantação de ciclofaixas (faixas pintadas nas vias comuns com trânsito exclusivo para bicicletas), imprescindíveis para dar segurança a quem quer utilizar a bicicleta para trabalhar. “Não existe ligação entre os bairros e o centro de Curitiba, pois as ciclovias interligam somente os parques e as áreas de lazer”, reclama o servidor João Olímpio Comerlato, que pedala até o Tribunal, todos os dias, há cerca de dois anos.

A questão da vestimenta também é levada em consideração na hora de aderir ao uso da bicicleta, mas a servidora Ana Paula Rocha explica que, se houver uma programação, não há dificuldades. “Agora que o tempo está frio, fica ainda mais fácil. Mas quando está calor, é só se programar e trazer outra blusa para trocar”. Além disso, as pedaladas rotineiras servem tanto como um exercício aeróbico – estimulando o sistema cardiopulmonar e, consequentemente, prevenindo doenças cardíacas – como no auxílio à queima de calorias. “Eu não tenho tempo para frequentar academia, ainda mais porque tenho um filho pequeno. Dessa forma, a bicicleta acaba sendo um exercício diário que não gasta tempo e nem dinheiro”, relata Ana Paula.

Além dos benefícios práticos, a bicicleta ainda oferece vantagens financeiras, pois as despesas referentes ao estacionamento, combustível e manutenção de um carro são eliminadas. “No gabinete onde trabalho, tenho um colega que vem de bicicleta diariamente do bairro Novo Mundo (limite Sul de Curitiba) e economiza cerca de 500 reais por mês”, relata Luciano. “É preciso quebrar um pouco os preconceitos e os medos, pois as barreiras são psicológicas. Na prática, acaba sendo muito vantajoso”, finaliza o servidor.

Pedalar é preciso
De acordo com o Detran, em Curitiba há dez carros para cada 16 habitantes e, em todo o Brasil, circulam cerca de 50 milhões de veículos diariamente. Toda essa movimentação automobilística é responsável por 70% da poluição emitida nos grandes centros urbanos. Para neutralizá-la, seria necessário que cada motorista plantasse 15 árvores por ano. Outra saída seria a redução do número de automóveis e o consequente aumento das “bikes”. A cada 5.000 bicicletas em circulação, são reduzidas 6,5 toneladas de poluentes no ar. Conscientes dos benefícios proporcionados pela prática, um número cada vez maior de adeptos apoia campanhas por modos mais sustentáveis de transporte.

Em Curitiba, existem mobilizações como “O plano das bikes brancas”, na qual os interessados podem vivenciar o uso de uma bicicleta comunitária: o ciclista retira a bicicleta, num dos cinco pontos de apoio espalhados pela cidade, e permanece com ela durante sete dias, sem custo algum. Para as mulheres, o movimento “Curitiba Cycle Chic”, que já completa dois anos, incentiva o uso da bicicleta através da comprovação que é possível aliar as pedaladas ao estilo e à elegância. Já a “Bicicletada” consiste numa pedalada pacífica, realizada de mês em mês, em mais de 200 cidades de todo o mundo. Na capital, a concentração é feita em dois dias: no último sábado de cada mês, às nove e meia da manhã, ou na segunda sexta-feira do mês, às seis e meia da tarde, no pátio da Reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR), localizada na esquina das ruas Amintas de Barros e Doutor Faivre.
Os servidores Ana Paula Rocha, Adriana Pansieri, Fabrícia Chiarelli,
Vanessa Souza e Luciano Zimmer pedalam todo dia para vir ao Tribunal.    


A servidora Adriana Pansieri vem ao Tribunal de bicicleta mesmo
nos dias de chuva.
 Ganhou o selo amigo da bicicleta.


Ah, dica do Guilherme Caldas, via Roberto Vaz.

Eco Bike Courrier ganha selo amigo

Eis uma empresa que é extremamente amiga da bike: a Eco Bike Courrier. É um serviço de entregas de bicicleta. A idéia é reduzir os custos em 30% e utilizar meios sustentáveis para as entregas de mercadorias.


Mais informações no site ecobikecourier.com.br. Fica  dica!

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Dicas para andar de bike a noite





Pedalar durante a noite… Para alguns, já é um vício. Para outros, é uma necessidade! Quem já teve o prazer de andar de bicicleta a noite, quer seja em uma cidade ou numa trilha, sabe como este momento pode ser tornar inesquecível, principalmente com o equipamento certo.

Ao pedalarmos durante a noite, os riscos tendem a aumentar, a começar por nossa sinalização. Ao mesmo tempo, durante a noite o trânsito é menor e é geralmente mais fácil reunir os amigos para um passeio. E para quem vai trabalhar de bicicleta, muitas vezes a volta para casa é realizada em condições noturnas.
Achei esse post no eu vou de bike, é só clicar aqui.

Valdinei Calvento


Quem já viu o spoke card do "Carro grande pinto pequeno" pode já identificar que é o mesmo autor. Esse cara tem um puta trabalho. Vale o clique. Aquió, e aquitambém

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Gata de rodas

Como diria Grace Kelly: Vá de bike.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Não compro gasolina

sexta-feira, 8 de abril de 2011

In itinere


View Larger Map

Esse é o trajeto que faço do meu apê para a escola do Senac. São quase dois quilômetros de ida, com direito a uma ladeira interminavel e pentelha no final. Mas é maneiro, melhor do que ir de carro.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Itiban com serviço de entregas em domicílio com bikes

Bike boy, ciclo courrier, bike messenger seja lá o nome que você quer dar a isto, mas vale a iniciativa que a maior e melhor loja de quadrinhos e afins de Cutiriba tomou. A Itiban, comandada pelo Chico e a Mitie, agora aceitam encomendas e entregam-nas de bike. É claro que não serão entregues pessoalmente por eles, mas se você tá afins de uma HQ, ou uma graphic novel, um mangá, uns livros de RPG, toy art ou mesmo um simples gibi e não está afins de sair de casa, seus problemas acabaram. A coisa vai melhorar se eles também entregarem cerveja e cigarros, daí é que eu não saio mais de casa. Parabéns, merece o seloamigodabicicleta.

Eis o blog da Itiban: http://itiban.blogspot.com/
A lujinha fica na Av. Silva Jardim, 845. Telefone: (41) 3232-5367. Email: itiban@netpar.com.br

segunda-feira, 28 de março de 2011




Está pra sair uma exposição n'ACASA, em Curitiba.
Acima, minha contribuição.

sexta-feira, 25 de março de 2011

domingo, 13 de março de 2011

Deu na Gazeta do Povo


Pois é, o infausto acontecimento em Porto Alegre, por pior que foi, está gerando um debate sobre o uso da bicicleta como alternativa modal. Agora estes três figuras, que há muito batalham por espaço, reconhecimento e todo o kit completo está por aí na imprensa. Dá-lhe galera! A reportagem está aqui.

Pedalada Pelada Mundial

Essa é a tradução que bolei para o "World Naked Bike Ride", acho mais simpático. Bem essa afronta a moral e bons costumes genial rolou ontem, 12.03.2011 em São Paulo e basicamente é uma forma de protestar por melhores condições para o ciclista. Quando ando de bicicleta me sinto invisível, por vezes é legal, mas tem outras que isso pode significar um atropelamento garantido ou levar uma fina dos veículos motorizados. Parece que tenho que ficar pelado para chamar a atenção, pois é. Alguém levou isso ao pé da letra e tocou o foda-se. Parabéns! Em, tempo, aos defensores da moral e bons costumes, no dia que alguém tiver uma ou outra, ou ambos, me avise que daí sim pensarei em refletir se tal manifestação possar vir a ser uma afronta. Pois até agora ninguém tem moral para nada, nem eu.


Tem mais no site da uol, aqui.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Familia que pedala unida, permanece unida.

Estas são as fotos do rolê da famímia do caro amigo Emir Baranhuk Conceição, que me deu esta grata surpesa ao postar as fotos dos seus no facebook. Parabéns pela iniciativa e muitas pedaladas!



domingo, 27 de fevereiro de 2011

Carta aberta de repúdio ao Delegado Gilberto Almeida Montenegro e à Polícia Civil do RS


Reproduzo aqui a carta aberta de repúdio ao Delegado Gilberto A. Montenegro e à Polícia Civil de RS, escita por Guilherme Schröder. Esta foi uma das reações em virtude do acontecido na bicicletada de Porto Alegre, especificamente em relação ao comentário feito pelo delegado, que era necessária autorização para a bicicletada e que o criminoso que tentou matar os ciclistas não teve a intenção. 

"Em primeiro lugar Sr Gilberto, nós os ciclistas não cometemos erro nenhum, estávamos utilizando as vias públicas como meios de transporte, que inclusive deveriam ser incentivados para que não ocorram congestionamentos.
O erro muito menos foi um ”erro grave”, pois não se precisa pedir autorização para nenhuma entidade para pedalar em conjunto, repito vias “públicas”. E além disso a EPTC sabia sim.
Outro equivoco do Sr, ninguém impediu o direito de ir e vir de ninguém, estávamos andando nas vias como meios de transporte legítimos, bicicletas, conhece?
Não era uma manifestação e sim um deslocamento para uma festividade, com muitas pessoas utilizando o mesmo meio de transporte, o carro? Não, a bicicleta, pois se todos fossem de carro ficariamos congestionados.
Inclusive os automóveis frequentemente são os que obstruem a minha passagem de bicicleta pelas vias, normalmente ando mais rápido que um carro para ir da perimetral até a Olavo Bilac, pela José do Patrocinio.
E me responda uma coisa somente, porque nos dias de futebol várias ruas são legalmente fechadas, o fluxo de carros é impedido para que torcedores, apenas torcedores, passem? Estas manifestações são mais “legítimas” pra polícia? Elas podem impedir o direito de ir e vir?
Com 20, eu disse 20 bicicletas destruídas, além das dezenas de feridos e um carro bastante avariado, como o Sr acha que “ainda não é possível afirmar que o motorista teve intenção de matar”. As testemunhas, e são várias, e o Sr já deve ter ouvido, disseram que o carro acelerou deliberadamente e não parou mesmo com pessoas sobre o capô e bicicletas amontoadas embaixo do carro, e não foi com intenção de matar? Por favor, só posso interpretar esta declaração como tendenciosa, defendendo o criminoso. Ainda por cima está esperando ouvir o motorista pra “ele” dizer se teve intenção? Ora, isso, me desculpe não é polícia investigativa Sr delegado Gilberto Almeida Montenegro, vocês conhecem o motorista? Estão acobertando alguma coisa?
Se o proprietário não deu queixa nenhuma, não foi pra casa, não atende o telefone e abandonou o carro depois da tentativa de assassinato, arrancando as placas. Quem poderia estar dirigindo?
Espero que tenham tirado as digitais na placa ao menos. Pois com tudo isso que eu argumentei qualquer pessoa de mínima inteligência ligaria os fatos dizendo quem é o culpado. E espero que a Polícia Civil tenha essa mínima inteligência necessária.
Sr Gilberto, espero que peça desculpas publicamente por suas declarações, pois o Sr criminalizou um movimento de ciclistas em paz, lutando apenas por dignidade e respeito no trânsito. E continuaremos com muito mais bicicletas nas ruas, pois é nosso direito, é o nosso meio de transporte.
Mais amor menos motor!"

Guilherme Schröder

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Nota de repúdio a tentativa de homicídio na bicicletada de POA

O filme Corrida Mortal 2000 foi as telas de cinema em 1975 com o seguinte roteiro: uma corrida de carros em que os participantes atropelam as pessoas na rua para ganhar pontos. Daí tem o pseudo-galã, interpretado por nada mais do que Silvester Stallone, uma gostosa a tiracolo, um vilão de carro preto e máscara e tem até um pastor, revendo ou algum tipo de pseudo-autoridade religiosa. 

Eu me pergunto: porque o número 2000 no filme? Será uma alusão ao ano 2000? Naquela época 2000 era um ano que representava o futuro. Em me lembro que, ainda criança, em 1985 eu pensava em como seria o mundo no ano 2000, quantos anos teria, se estariamos andando de carros sem rodas tal como nos jetsons. Bem, o futuro sempre chega de vagar e em pedaços. Percebi que o futuro é uma projeção do que nós imaginamos como seria ele. Mas por vezes nossa imaginação nos trai. E foi o que aconteceu. Coincidência ou não, comprei outro dia uma edição encadernada do Ranxerox, que saiu pela primeira vez na revista Caniballe em 1977. Era um robô viciado em cascolar e extremamente violento. Ah, e de quebra tinha uma namorada de 12 anos viciada em heroína. Taí, outro exemplo do futuro. O ano 2000 voltou e passou e cá estamos. Aliás, estamos bem distantes dos Jestons e cada vez mais próximos dos Flintsontes. Ontem, na bicicletada de Porto Alegre, um motorista atropela vários ciclistas e foge da cena do crime. Tomo este exemplo por ser emblemático quanto a falta de educação e civilidade das pessoas. Estamos talvez bem mais perto dos Flintstones. Isso, neandertais com controle remoto, homens das cavernas vestidos de smoking, macacos usando microondas e telefones celulares. O futuro é sombrio, violento, cínico e hipócrita. Ainda bem que tem manifestações que beiram a bichogrilisse, que é a bicicletada, numa tentativa de sensibilizar as pessoas a andarem de bike, encorajando as pessoas a andarem de bike pela cidade, numa busca pelo reconhecimento cívico. Então vem um filho da puta, com o perdão das prostitutas, ou melhor, um corno e passa por cima de ciclistas que estavam andando de bicicleta pela cidade, em uma manifestação tão singela quanto subversiva, tão pacífica quanto anárquica, tão genuína quanto cívica. 

É inaceitável esse tipo de atitude, é abusurdo ver tal coisa acontecer. É vergonhoso saber que existem seres humanos assim. É reprovável a atitude desse criminoso. Esse blog solidariza-se com as vítimas do infausto e repudia com veemência o crime perpetrado pelo condutor do carro até agora não identificado. No filme, Silvester Stallone, ganha pontos por matar pessoas, espero que em Porto Alegre o prêmio do motorista assassino seja a condenação por tentativa de homicídio, com tudo que ele tem direito.

Eis um video feito pós tentativa de homicídio:

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Hipsterisses

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Gata de rodas

Liliane de bike, miau!

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Bike Roots


Bike do Claudio Silva. Maneiríssima.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Rolê em Águas de São Pedro

Hoje, depois do almoço, fui dar uma voltinha marota pela cidade de Águas de São Pedro. Tem um rio que passa no meio dela e dos lados tem subida, nada muito pesado, mas rola uma ladeira ou outra. Esse passeio foi de 5km, pelas ruas da cidade, tranquilo sem stress. Taí o mapa.


View Larger Map

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Águas de São Pedro

Faz uma semana que estou em Águas de São Pedro, que é uma pequena cidade no interior de São Paulo. Aliás, é o menor município do Brasil. Minha vinda para cá é o curso de cozinheiro chef internacional e vou ficar um ano por aqui. Daí trouxe a minha bike para dar umas voltas pela redondeza. Pois bem, a cidade é muito pequena e fica a uns 9 Km de São Pedro. E resolvi ir para lá ontem. Um pouco receoso, pois não tem acostamento algum e isso é foda, faz o pedal tenso. Mesmo assim, fui para lá. O trecho se mostrou bem tranquilo em relação ao tráfego e a altimetria. Gostei. Mas o que não gostei foi de ter furado o pneu na volta. Ainda bem que faltava pouco para chegar no alojamento.
Eis o trecho que fiz:


View Larger Map

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Bicicletas novas na área

Ontem o Cristian, da Bike Tech me ligou dizendo que tinham chegado algumas bikes comute para eu ver e coisa e tal. Passei hoje lá para comprar uma mala bike e vi uma Kona Ute montadinha. Dê uma olhada. Com bolsas laterais e tudo mais. E o preço R$ 3.600,00 mais ou menos.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Bike Lab




Taí um projeto que podia gerar seus clones por estas bandas. Uma espécie de oficina comunitária, criada inicialmente para ajudar pessoas carentes de meios de locomoção em Greensboro (nos States) e que está gerando desdobramentos interessantes, incluindo um projeto para construção de bicicletas de bambu (eu um dia vou ter uma dessas).

Vai lá no site da Bike Lab, que a visita vale a pena.




As imagens eu peguei lá no grupo deles no Flickr.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Gata de rodas


Gata toda combinando com sua Peugeot na Dr. Muricy com a Cruz Machado.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Matéria sobre uso da bicicleta na região sul.


"Os moradores da região Sul são os que menos utilizam as bicicletas como meio de transporte. O estudo do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas aponta que as bikes ficam restritas às horas de lazer.
Em contrapartida, a frota de veículos aumenta todos os anos. De acordo com especialista em mobilidade urbana, o pouco uso se deve à falta de estrutura."


Segue o link para assistir a reportagem que foi veiculada hoje, 26.01.2011.  http://www.rpctv.com.br/bom-dia-parana/2011/01/moradores-da-regiao-sul-sao-os-que-menos-usam-bicicleta/

From Tokyo to Osaka


quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Melancia Ciclística

Achei no boxdogbikes.com
Clica aqui ó.

sábado, 15 de janeiro de 2011

Brooklyn Coffee Shop

Mais um estabelecimento que merece o selo amigo da bicicleta: o Brooklyn Coffee Shop. Geralmente nos sábados, depois de um almoço maroto, paro para tomar um café, uma cerveja, um bolo e já emendar com a noite que cai com um jantar, mais bebidas, pedaladas e o que o acaso me reservar. Além do Tienda na Praça Espanha tenho uma boa alternativa. O ambiente é bem despojado, com o chão de concreto queimado, tal como o balcão, que ostenta uma máquina de expresso potentosa. O salão com pé direito alto, parece uma espécie de galpão com mesas de madeira de demolição, sofás, mesas de centro e até um espelho para compor o ambiente. O café delicioso, com várias opçÕes, ristretto, capuccino, latte, tudo uma delícia. Bebidas alcoólicas igualmente boas. Vale mencionar que outra noite tomei um white russian, em homenagem ao Lebowski, grande Lebowski. Quando aos quitutes, posso aconselhar o biscoito, pois o resto não comi. Fica para a próxima. Mas por que vale o selo amigo da bike? Por que outro dia chegamos lá, em três bikes, e perguntamos se poderiamos guardar dentro do café as magrelas. Prontamente o Daniel, proprietário, que já tentou ser messenger em Seattle, disse que sim. Daí em diante foi um papo muito bom que renderá bons frutos. Em breve vocês saberão.














Estados e Municípios podem comprar bicicletas escolares por preços reduzidos


Para facilitar a vida dos estudantes que residem em áreas rurais e até mesmo urbanas que são intransitáveis para veículos automotores, estados e municípios podem aderir ao registro de preços promovido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O registro permite a compra de bicicletas escolares de aros 20 e 26, por meio do programa Caminho da Escola. Em 2009 o FNDE ofereceu mobiliário escolar pelo mesmo sistema de adesão ao registro de preços. 


Segundo o Ministério da Educação, protótipos da bicicleta escolar já foram testados nas cinco regiões do País e receberam avaliações positivas por parte dos alunos e de seus pais. “A bicicleta vai servir para aqueles que moram em localidades aonde os veículos rodoviários não chegam, tanto nas áreas rurais quanto nas urbanas”, afirma o coordenador geral de transporte escolar do FNDE, José Maria Rodrigues de Souza. O coordenador lembra que, além de ter impacto zero sobre o meio ambiente, a bicicleta vai ajudar os estudantes a ter uma atividade física saudável. Segundo ele, a bicicleta escolar tem especificações que lhe garantem resistência maior que a das bicicletas comuns, como o quadro reforçado. 
Para participar do programa, os governos dos estados e prefeituras devem seguir as instruções da Resolução nº 40/2010 do FNDE. O prazo para entrega da mercadoria é de, no máximo, 90 dias a partir da assinatura do contrato. 

Programa Caminhos da Escola - O programa Caminho da Escola foi criado em 2007 com o objetivo de renovar a frota de veículos escolares, garantir segurança e qualidade ao transporte dos estudantes e contribuir para a redução da evasão escolar. O intuito é ampliar, por meio do transporte diário, o acesso e a permanência na escola dos estudantes matriculados na educação básica da zona rural das redes estaduais e municipais. O programa também visa à padronização dos veículos de transporte escolar, à redução dos preços dos veículos e ao aumento da transparência nessas aquisições.

Achei aqui secom.gov.br 

Aqui vai um comentário: e se os trabalhadores que não usam ônibus nem carro? Poderiam eles também receber uma verba por isso, como incentivo para mobilidade etc e tal? O vale-transporte seria um modelo. E para ajudar, o Estado poderia até conceder isenção tributária relativa ao valor. E assim vai.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Mais um lugar amigo da bicicleta

Trata-se do edificio Triumph, que fica na Rua Francisco Rocha, 62, uma quadra antes da Praça do Japão. Reparei que ao lado do edifício tem um bicicletário. Por isso ganha o selo amigo. Confira as fotos.